10.05.2009

Série "Contos da Jojoca" - Um bizarro fato em Xerem

Martin acordou naquela madrugada com estranhos ruidos vindos de sua cozinha. Pensando se tratar novamente de Boris, o gato da viinha da casa do lado, o rapaz vestiu o roupão de banho, pegou vassoura que mantinha atrás da porta do quarto e dirigiu-se lentamente, na ponta dos pés, até a cozinha. Os ruidos que ouvira anteriormente evoluiram então para o caracterísitico tilintar que as panelas faziam ao baterem umas nas outras.

"Filho da puta, está bagunçando meu armário de panelas". Empunhando a vassoura acima da cabeça, Martin correu até o tal armário, abriu uma das portas e recuou: de dentro da escuridão, sairam enfileiradas, uma a uma, as panelas. Caminhavam juntas, como soldados organizados, em direção à porta dos fundos. Enraivecido, Martin agitou a vassoura, acertando em cheio a frigideira. O objeto, em um curto porém magnífico vôo, chocou-se contra a parede, produzindo um estalido que fez todas as demais panelas imediatamente entrarem em guarda.

O tacho de sopa, a grande panela que liderava o grupo, rapidamente correu até a frigideira e, com suas curtas alças pareceu tentar ajudá-la a se levantar. Era uma revolução. As panelas haviam desenvolvido um consciente coletivo forte e convicto e colocavam em prática naquele momento um plano de fuga.

- Ah, não quero almoçar em restaurante amanhã! - Esbravejou Martin enquanto acertava o ralador de queijo com o cabo. Percebendo a ameaça, as demais panelas dispersaram-se por debaixo dos balcões e das cadeiras. O tacho de sopa posicionou-se como uma "parede humana" (no caso, uma parede metálica) na frente da frigideira, que se recuperava do impacto.

Martin, segurando a vassoura com ambas as mãos, estava atento: a cozinha podia estar escura, mas panelas causavam muito barulho ao se mover e isso tornaria fácil evitar um ataque.

Dito e feito: a caneca de leite precipitou-se sobre ele em uma investida à lá wrestling da qual Martin escapou dando um passo par ao lado. Porém a panela de barro rolou no mesmo instante vindo por trás do rapaz, que foi atingido nos calcanhares e perdeu o equilíbrio.

- Mas que merda, não posos acertá-la ou acabarei quebrando o melhor jeito de se cozinhar um bacalhau!

Apoiando uma das mãos no chão, Martin ia tentar se levantar quando um das panelas menores bateu em seus dedos, fazendo-o urrar de dor. Não demorou muito para todas as panelas reaparecerem e investirem contra Martin, que se debatia e tentava erguer seu corpo do chão.

Foi quando o tacho de sopa resolveu atacar. Ele veio rolando, absurdamente rápido, acabando por atingir as costas dele. Martin ficou furioso, agarrou o cabo da vassoura e agitou-o no ar, acertando duas panelas menores e uma travessa de salada. Recompondo-se, esava agora cara a cara contra o tacho de sopa.

- Cuzeiro, é você o responsável por isso tudo então? - resmungou Martin cerrando os dentes. Um filete de sangue escorria do canto da sua boca e seu cabelo estava muito bagunçado.

O tacho de sopa iniciou uma sequência complexa de movimentos: girando no próprio eixo, inclinou-se para frente e parou subitamente a rotação, fazendo com que sua tampa saltasse como um violento shuriken em direção à testa de Martin. O rapaz percebeu a técnica e posicionou a vassoura verticalmente a sua frente, mas foi em vão: a tampa voava com tamanha potência que partiu o cabo em dois e ricocheteou na têmpora de Martin. Se ela não tivesse batido no cabo antes, muito provavelmente teria se cravado na testa do coitado.

O jovem de roupão soltou um gemido enquanto caia sobre as cadeiras. O tacho virou uma cambalhota no ar e atingiu seu plexo solar, fazendo Martin perder o fôlego e soltar o resto da vassoura que tinha em mãos. Logo o ataque das demais panelas recomeçou, Martin tentava se desvencilhar enquanto o metal quebrava seus ossos.

- AH SOCORRO CARALHO!!! ALGUÉM ME AJUDE, ALGUÉM ME TRAGA OUTRA VASSOURA AAARAGH!!

Em poucos segundos, as panelas estavam com seus fundos tingidos de sangue. A frigideira, saltando por cima da mesa, desferiu o golpe de misericórdia, matando Martin.

Silêncio. O tacho de sopa deu a ordemd e comando para que escondessem o corpo. Enquanto isso, a panela média enchia-se de água para lavar a sujeira e a leiteira e o bule de café juntavam os cacos da vassoura.

Dez minutos depois, a fila indiana ia saindo da casa. Eram 3 da madrugada em Xerem. A morte de Martin foi catalogada como "acidente doméstico" e seus pais, passado o choque, compraram um forno de microondas.

Aula de alemão (Celin, terceiro nível). Alguns minutos antes da prova:

Garota que sempre senta no canto esquerdo da sala: Uau.
Eu: ?
Garota que sempre senta no canto esquerdo da sala: Você tem dois estojos?
Eu: Sim. Eu uso um só pra canetas e outro para lápis e materiais de desenho.
Garota que sempre senta no canto esquerdo da sala: Só pra canetas?
Eu: Exato.
Garota que sempre senta no canto esquerdo da sala: Você é quase uma menina então.
Eu: Hã?
Garota que sempre senta no canto esquerdo da sala: Sim, meninas geralmente têm muitas canetas.
Eu: ... a.

4 comentários:

Daniela disse...

Tu não é menina, tu é designer, oras! (se bem que eu sou menina E designer, talvez eu não seja uma boa referência)
Ou tu é menina e eu não sei? o.O

Phillip Willian QUitschal disse...

Menininha HEHEHEHE! Menininha Designer... Perai... Eu tbm tenho varias canetas... T____T Juro que a garota que sempre senta no lado esquerdo esta mentindo!

Phillip Willian Quitschal disse...

Nossa... Isso aqui esta escasso de comentarios... Já li esse post 4 vezes xP

V disse...

Deixo claro e documentado o fato de que sim. O Phill é uma menininha!!!! Sem mais.. *coloca sua toalha vermelha no pescoço e sai correndo.*