12.04.2010

Lições geladas sobre diplomacia
















O local no mapa indicado pela cabeça do Jaspion é a provável localização do país-foco da nossa conversa de hoje, caro colega.

A Suíça - também conhecida como Confederatio Helvetica pelos mais chegadinhos, foi sempre destaque por causa da sua posição geográfica de alto-risco. Localizada em um buraco entre a França (local conhecido pela estranha preferência gastronômica e sexual de seus habitantes), a Alemanha ("o país mais loko do mundo" segundo Heidegger) e a Itália (local de onde saiu a matéria-prima de boa parte da reigão sul do Brasil), a Suíça acabou tendo sua atenção muitas vezes desviada por causa do mau-comportamento dos seus vizinhos.

Infelizmente, o que chega a nós, até hoje, é a fama dos chocolates suíços, ou do queijo suíço, ou das almôndegas suecas. O mundo desconhece fatos muito mais interessantes sobre esse singelo país.

Há uma expressão muito valiosa no vocabulário dos sábios: o comportamento suíço. Tomando como premissa a tal localização geográfica nada louvável deste país, era de se esperar que sua política se baseasse fortemente no significado fonético do seu gentílico em inglês: "Swiss" (captado pelos microfones e pelos escritores de quadrinhos japoneses como o barulho feito ao se esquivar por uma passagem estreita ou por escapar por uma rampa de neve usando um par de esquis... suíços).

Sim. A Suíça é mais fenomenalmente conhecida pela sua tão louvável neutralidade! Não foi uma só vez que seus vizinhos se meteram em encrencas envolvendo armamento pesado e trincheiras e o nosso heróico país simplesmente ergueu as duas mãos e exclamou "não, não olhem pra mim, eu pago as minhas contas todas em dia".

Fato curioso: tal comportamento assíduo gera uma inegável fama de "bonachão". Foi em meados de 2007 que o exército Suíço ("esses caras trabalham tanto quanto a aeronáutica suíça") invadiu, devido às péssimas condições meteorológicas, um país vizinho chamado Liechtenstein.Invadiu no sentido de andar por aí livremente, sabe? Mas foi sem querer, e o exército logo tratou de picar a mula de lá - isso iria fatalmente contra todas as laudas do comportamento suíço.

O que Liechtenstein fez? "Ah, eu conheço vocês, seus suíços! Espero que tenham curtido a visita!"

Fato mais curioso ainda: Liechtenstein é famoso por ser o país mais promissor na filatelia - ou o ato de colecionar selos. Tal característica é um ponto a favor na hora de classificar Liechtenstein não como um país europeu, mas sim como um município do Rio Grande do Sul, tanto por causa do número de habitantes e clima, mas como também pelo fato de cada cidade lá ser "capital de alguma coisa" (Ijuí é a capital da cultura e Erechim é a capital da amizade - origens obscuras para ambos os exemplos).

Voltando ao assunto, Suíça. O tal comportamento suíço equipara-se ao fenômeno antropológico do "jeitinho brasileiro". Este, num significado abrangente, refere-se à forma que o brasileiro encontrou de abstrair em saideiras de sexta o aumento de 180% no preço da gasolina e de alguns meses depois comemorar bravamente quedas de 15% no mesmo preço. É também o padrão genérico comportamental que leva o brasileiro a escolher, via método reflexivo, seus candidatos à cargos públicos de suma importância.

Da mesma forma, o comportamento suíço faz com que os adeptos a esse estilo de vida desenvolvam um natural talento para a diplomacia e, com o perdão da analogia, também uma vocação para "saídas à francesa" de sucesso. ter um caráter suíço significa, concluindo, estar em cima do muro - e de muros bem finos.

Foi após muito estudo e pesquisa de campo que eu descobri o melhor exemplo de comportamento suíço ainda presente na nossa vida atual:
















O sorvete napolitano

Sim, jovem (ou não) leitor (ou não). O sorvete napolitano tem suas nebulosas origens na Suíça. Tal conhecimento foi conferido a mim quando tive acesso às lendas e canções folclóricas da "Velha Confederação Suíça" - ou a primeira configuração aceitável que esse país teve no mundo. Por volta de 1290, as colônias e feudos que ocupavam aquele lugar decidiram redigir uma carta anunciando a então formação da confederação.

E dizem que aí surgiu o problema: a repercussão da notícia não foi nada bonita. De um lado a Alemanha - antes mesmo de se tornar o Império Prussiano os caras lá não eram fáceis - ficaram de birra. A França... melhor não comentarmos sobre sua reação (que foi convertida em faniquitos que até hoje são motivo de piada na Inglaterra). E lidar com o gênio italiano já era difícil mesmo quando ainda não existia Suíça alguma.

Porém, graças a uma coincidência fabulosa do destino, um rico mercador chamado Marco Polo retornaria da China alguns anos depois trazendo consigo várias novidades: o relógio de pulso, aquecedor de água (vulgo rabo-quente),a tecnoologia do bluethooth e também um prato peculiar feito com raspas de gelo e suco: o ancestral do sorvete.

Dizem as poesias profanas que um político Suíço chamado Friedrich Sensatlz ficou sabendo da novidade via twitter:







Decidiu então telefonar para seu amigo. É interessante como podemos notar o espírito do comportamento suíço analisando a conversa deles:

Marco Polo: Alô?
Friedrich:Alô, é da casa do Marco?
MP: Sim, é ele falando.
F: Marco Polo, minhas congratulações. Foi com muito louvor que ouvi falar de suas viagens e agora estou aqui utilizando este dispositivo de comunicação à distância para lhe parabenizar pelos seus esforços.
MP: Poxa, valeu...
F: Você é um cara muito foda.
MP: Uau.
F: Eu tenho grande admiração por você, já criei uma comunidade no orkut chamada "amigos do Marco Polo" e já somos em mais de 80 pessoas.
MP: Que interessante!
F: Gosto muito de você, Marco Polo.
MP: Mesmo eu tendo bafo?
F: Bafo não significa nada para um homem com feitos como os seus. É um handicap da natureza, e isso naõ muda em nada o que eu penso sobre você.
MP: Conversaria comigo de boa?
F: Sim, me convide para ir aí na sua casa tomar algo refrescante.
MP: É nóis que voa então.
F: Certamente, um vôo magnífico que rasgará os céus e fará com que nossas almas atingam a estratosfera juntas, de mãos dadas--

A partir daí os registros param bruscamente.

O fato é que Friedrich viajou até a casa de Marco Polo,que lhe serviu da então mistura. Friedrich, maravilhado, levou uma boa porção dela consigo para casa. Levou também algumas notas de vinte reais do bolso do casaco de Marco Polo, otário.

Friedrich pretendia transformar aquela mistura em um presente que traria paz para seu povo. Conforme o refrão da música, Friedrich contratou um cozinheiro que teve a genial ideia de enfiar tudo num pote e colorir com três cores diferentes. Cada porção do doce seria dedicada, portanto, à um país: o chocolate seria aos alemães, o morango aos franceses (hihihi) e o creme aos italianos. Óbvio que os italianos chatos "não quiseram ficar com a parte mais chata e sem cor", e por isso Friedrich, em uma sacada genial, batizou a mistura de "sorvete napolitano", em homenagem à cidade de Nápoles, na Itália.

Hoje, o sorvete napolitano continua sendo o favorito daqueles que são enviados pelo grupo ao mercadinho para comprar sorvete. Eles sabem que dentro daquele pote está a essência do comportamento suíço. Qualquer briga será suprimida pelo fato de haver três sabores a serem escolhidos - e não apenas um. Por isso, o jovem que compra sorvete para todos os amigos sabe que é melhor deixar de escolher o de flocos (que é o melhor sabor, disparado), e escolhe o napolitano, que é a garantia de que sua cabeça continuará acima do pescoço.

Fato curioso: estatísticas apontam que a porção de creme é sempre a que sobra no final do pote, mesmo na itália.

Depois de uma década sem postar nada, eis que o seu querido aspirante-a-escritor-de-alguma-coisa-que-preste surge de novo. Não vou me delongar com novidades e coisas do tipo. Prefiro apenas deixar isso por aqui e cair fora.


Um abraço!

5 comentários:

Lee Scoresby disse...

A Guarda Suíça é evil em His Dark Materials.

Heliofante do Rei Salomão disse...

A Cabeça-de-Jaspion, um clássico e eficiente indicador de mapas You Are Here, desde 2010. Muito apreciada na tradicional cartografia Farpafff.

Bianca Rie disse...

hahahaha
muito bom o post!
vê se aparece mais nesse seu blog

beijo!

bolinho disse...

Boli...faz um contrabando de chocolates na volta oká?

EU GOSTO DE SORVETES TB

Cleber Alexandre disse...

oi bolivar